07 março 2011

Se não és um animal, estás lixado.

Nesta luta por um lugar ao sol do trabalho (ao sol, não à sombra) tens que ser um verdadeiro animal. Só o instinto de sobrevivência apuradíssimo na comunicação, nos gestos estudados, nas roupas cool, na linguagem apelativa e cheia de soud bites é que faz com que te entre algum no final do mês.

O reconhecimento, esse, acontece-te quando te tornas um "diamante" que, de tanto brilho - qual fogo de artifício! - ofuscas os "demais". Mas já pensaste o que a vida reserva aos "demais" (se calhar até és um deles!)?

E se não fores este animal? E se não tiveres o instinto? E se só queres para ti uma vida segura, sem grandes mossas e empreendimentos? É que, sabes, nem toda a gente tem as características para ser um Steve Jobbs, nem que seja o Steve Jobbs lá da terrinha, e isso não os torna menos competentes.

Por que é que o "diamante" tem direito à vida exótica que almeja e os "demais" são olhados de lado por quererem uma vida simples? Tratam-se de escolhas e há quem só queira a vida de casa-trabalho-trabalho-casa, jogos de futebol com os filhos ao sábado de manhã e passeios aos domingos à tarde. E é verdade que têm direito a isso.

Só que hoje em dia não és ninguém se não tiveres feito Erasmus numa qualquer capital europeia, tirado mestrado em Londres ou em Roma e passado seis meses a viajar pelos países asiáticos. Tens que ser cosmopolita, falar como se entendesses de tudo, ter uma opinião sobre a vida e o mundo na ponta da língua.

E não te espera grande futuro se não tiveres a hipocrisia suficiente para responder às sacramentais perguntas de 'La Palice' das entrevistas de emprego do género "Quem és tu?" e "Onde te vês daqui a três anos". Estás condenado se tens as 'hard skills' necessárias para desenvolver o teu trabalho mas não consegues vender areia no deserto. Porque hoje ou és um animal ou estás lixado.

1 comentário:

floccinaucinihilipilification disse...

Aqui há uns tempos um colega de trabalho ensinou-me uma lição engraçada e verdadeira:
"Aqui é como a selva: ou comes ou és comido!"
E é verdade, por vezes temos que ser predadores para poder chegar a algum lado...